Vitamina D na infância: o que você precisa saber?

vitaminad1-Instituto-VillaMil

As crianças representam um grupo de grande vulnerabilidade para deficiência de Vitamina D. Isso se deve ao rápido crescimento e desenvolvimento, principalmente nos primeiros 1.000 dias de vida, que incluem o período da gestação e os dois primeiros anos.

A vitamina D é um precursor hormonal, ou seja, ela ativa a liberação de substâncias no organismo. Essa vitamina é adquirida, principalmente, através da exposição solar e é amplamente conhecida pela formação e saúde dos ossos.

Mas, além da absorção e regulação do Cálcio, substância envolvida no desenvolvimento ósseo, a Vitamina D está associada ao bom funcionamento dos sistemas imunológico, muscular, cardiovascular, respiratório e endócrino.

Suplementação com Ferro: quais os benefícios para a criança?

O que a falta de Vitamina D pode causar na saúde?

A falta de Vitamina D é, muitas vezes, não apresenta sintomas. Mas quando persiste por longos períodos pode levar a um quadro grave de enfraquecimento dos ossos (osteomalácia) e de raquitismo, com as alterações ósseas, atraso do crescimento e desenvolvimento motor, irritabilidade, suor excessivo e atraso no nascimento dos dentes.

Porém, estudos apontam que a essa Vitamina também pode estar envolvida com diversos outros processos fisiológicos além da estrutura óssea. Assim, a hipovitaminose D pode estar associada à diabetes, asma, dermatite atópica, alergia alimentar, doença inflamatória intestinal e até artrite reumatóide.

Como é feita a Suplementação de Vitamina D na infância?

A Suplementação de Vitamina D, segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a Academia Americana de Pediatria (AAP), deve ser iniciada logo após o nascimento para todas as crianças a termo independente da alimentação, oferecida uma vez ao dia até os 24 meses.

Já para os bebês prematuros, a suplementação deve ter início quando o peso da criança for superior a 1.500 gramas e houver tolerância à ingestão oral até os 24 meses. No caso das crianças maiores, o suprimento de Vitamina D meio de dieta, exposição solar e/ou suplementação mediante avaliação médica.

Além disso, as crianças com fatores de risco para hipovitaminose D devem receber suplementação pelo período em que esse risco estiver presente. Por fim, as crianças saudáveis, sem fatores de risco, e que tenham limitada exposição ao sol, devem ter a suplementação avaliada individualmente.

Regressão do sono: saiba como ela afeta o seu bebê!

Como é possível adquirir Vitamina D naturalmente na infância?

A grande parte da vitamina D é adquirida pelo organismo após exposição solar aos raios ultravioleta. Mas a vitamina também pode ser encontrada em fontes alimentares, como: salmão, sardinha, atum, óleo de fígado de bacalhau. Porém, vale lembrar que a suplementação continua sendo essencial para crianças abaixo de 12 meses e que possuam fatores de risco.

vitaminad-Instituto-VillaMil
As brincadeiras ao ar livre são alternativas saudáveis para evitar a  hipovitaminose D.

Quais os fatores de risco para baixa de Vitamina D na infância?

Alguns grupos de crianças podem ser mais suscetíveis a hipovitaminose, ou seja, elas são consideradas grupos de risco para a hipovitaminose D. Entre esses fatores estão: a prematuridade, a falta de suplementação de vitamina D para bebês em aleitamento materno exclusivo ou com ingestão de fórmula e a exposição solar inadequada.

Além disso, existem fatores ambientais envolvidos, como: locais com altas altitudes ou com temperaturas frias por longos períodos. As síndromes de má absorção, a obesidade e a hiperpigmentação da pele são fatores fisiológicos que também devem ser considerados.

vitaminad3-Instituto-VillaMil
A obesidade pode estar associada a hipovitaminose D.

A deficiência de vitamina D é um dos distúrbios mais frequentes em todo o mundo. Por esse motivo é importante que as crianças sejam estimuladas à prática de atividades ao ar livre e ao consumo regular de alimentos fonte de vitamina D.

Porém, é importante lembrar que a exposição ao sol deve ser feita de maneira responsável, em horário adequado, antes das 10h e após as 16h. Isso porque, a exposição solar gera o risco de queimaduras, lesões oculares e doenças de pele, entre as mais perigosas o câncer.

LEIA MAIS:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on tumblr
Share on google
Share on pinterest

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado.

WhatsApp chat