Vírus comum na infância: o que devo saber?

Instituto Villamil vírus da infância - 1

O vírus sincicial respiratório (VSR) é um dos principais agentes causadores das infecções que acometem o trato respiratório inferior em crianças menores de 2 anos de idade, podendo ser responsável por até 75% das bronquiolites e 40% das pneumonias durante os períodos de sazonalidade.

Na região sudeste, a sazonalidade do VSR ocorre entre os meses de março e julho, ou seja, período de maior transmissão do vírus.

A maioria das crianças é infectada no primeiro ano de vida e, virtualmente, todas as crianças serão expostas ao vírus até o final do segundo ano de idade, com reinfecções durante toda a vida.

Pode se manifestar desde formas leves (semelhante ao resfriado comum), assintomáticas, até formas graves com comprometimento do estado geral e dificuldade para respirar.

Cocô do bebê: o que é normal e o que não é?

Muitos estudos foram feitos acerca do VSR e hoje, além das medidas de contenção e disseminação do vírus como higienização das mãos e do ambiente, pode ser usado o Palivizumabe em recém-nascidos de alto risco, como bebês prematuros, com problemas cardíacos congênitos ou doença pulmonar crônica.

 Como ocorre a transmissão do vírus sincicial respiratório?

Instituto Villamil vírus da infância - 1
A transmissão do vírus acontece de forma direta, como por exemplo por secreções nasais ou de forma indireta, pelo contato com superfícies contaminadas.

A transmissão do VSR, ocorre de forma direta, ou seja, pelas secreções nasais, saliva ou gotículas; ou de forma indireta, pelo contato com superfícies e objetos que estejam contaminados e onde o vírus pode sobreviver algumas horas, como: brinquedos, maçanetas de portas, utensílios de uso do bebê, etc.

 Qual o tratamento para o VSR?         

Não há um tratamento específico para o VSR e as medidas de suporte são sempre recomendadas, além daquelas preventivas e de controle da infecção.

Seguem algumas recomendações:

– Fazer higiene das mãos com água e sabão, ou álcool a 70%,

– Deixar seu bebê descansar,

– Manter o nariz do bebê limpo, sem obstruções,

– Vigiar regularmente a respiração,

– Monitorar a temperatura, impedindo o aumento da febre com o uso de antitérmicos,

– Manter alimentação normal para a idade da criança,

– Manter o ambiente limpo, arejado e com ar umidificado,

– Evitar tabagismo passivo.

Quando procurar o serviço médico?

Instituto Villamil vírus da infância - 2
Os pais devem sempre ficar atentos aos sinais de alarme para procurar um médico quando realmente é necessário.

Assim como outras viroses, o tratamento para VSR visa medidas de suporte. Porém, alguns sinais podem indicar a necessidade de se recorrer aos serviços de saúde para tratamento com oxigênio ou receber hidratação por soro, por exemplo. Nestes casos, o ideal é fazer contato com o seu pediatra.

Seguem indicações de hospitalização:

– Dificuldade para respirar: ficar muito cansada, irritada ou engasgada durante as mamadas,

– Episódio de apnéia,

– Bebês menores de 3 meses,

– Vomitar com frequência e em grande quantidade;

– Recusar alimento ou líquido durante mais de 4 a 6 horas;

– Urinar pouco (fralda seca por período superior a 12 horas);

– Tiver uma febre alta e persistente;

– Apresentar sinais de desidratação;

 Quem faz parte do grupo de risco para o VSR?

Bebês com menos de 12 semanas, prematuros, ou que apresentem outras patologias como distúrbios cardíacos ou pulmonares crônicos, doenças neurológicas graves e de imunodeficiência congênita ou adquirida, são mais suscetíveis à doença na sua forma mais grave e têm, por isso, maior taxa de hospitalização e de necessidade de cuidados especiais, segundo a Associação Americana de Pediatria.

Refluxo gastroesofágico em bebês

Tabagismo passivo, desmame precoce, ambientes pouco ventilados e com muita gente, podem afetar o fortalecimento do sistema imunológico da criança, e por isso, são fatores ambientais que favorecem a manifestação desses quadros infecciosos.

 Como prevenir a infeção pelo VSR?

Instituto Villamil vírus da infância - 3
Uma das medidas de prevenção contra o vírus sincicial respiratório é a higiene, tanto das mãos quanto de objetos e superfícies. Além disso, mantenha distância de pessoas contaminadas.

A melhor prevenção está diretamente associada aos cuidados básicos de higiene. Lavar frequentemente as mãos com água e sabão, aplicar álcool gel antes e depois de entrar em contato com o doente e desinfetar superfícies e objetos expostos a secreções corporais contaminados pelo vírus, evitar aglomerações em locais fechados e manter distância das pessoas que apresentam sinais da doença, são medidas importantes para prevenir e controlar a disseminação do VRS.

Assim como outras viroses, a infecção pelo vírus sincicial respiratório não possui vacina e controlar sua disseminação não é tarefa fácil, principalmente levando-se em conta que os adultos são transmissores em potencial.

Mas para nosso alívio, houve um avanço na prevenção do VSR: o Palivizumabe, que traz em sua eficácia impacto comprovado na doença.

Apesar de não ser uma vacina, induz a uma imunização passiva específica. O Palivizumabe é uma imunoglobulina de aplicação intramuscular, que protege a criança com anticorpos contra o VSR, com eventos adversos pouco comuns, porém precisa ser aplicado a cada mês, por 5 meses e tem um custo elevado. Esses fatos levaram as sociedades científicas e governos a limitarem a indicação prioritária a alguns grupos, durante o período de maior transmissão.

A Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais, disponibiliza o medicamento para alguns grupos considerados de risco mais elevado, e recomenda sua aplicação entre os meses de fevereiro e julho.

A recomendação do Ministério da Saúde inclui grupos prioritários, como:

– Crianças menores de 1 ano, que nasceram prematuras, com idade gestacional menor que 29 semanas (28 semanas e 6 dias);

– Crianças menores de 2 anos, portadoras de doença pulmonar crônica da prematuridade e que necessitam de tratamento nos 6 meses que antecedem a sazonalidade do VSR;

– Crianças menores de 2 anos com cardiopatia congênita, com repercussão hemodinâmica.

Mancha Mongólica no bebê: você sabe o que é?

 

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) também sugere a inclusão ainda de outros grupos como: bebês prematuros nascidos entre 29 e 31 semanas e 6 dias de idade gestacional, sempre que possível. E se baseia em evidências de que são grupos vulneráveis a formas mais graves da infecção, de forma especial nos primeiros 6 meses de vida. Para esses casos, a aplicação da medicação deve ser realizada em clínicas privadas de vacinação.

Sempre que tiver dúvidas, procure seu pediatra.

LEIA MAIS:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on tumblr
Share on google
Share on pinterest

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado.

WhatsApp chat