Vacinação COVID-19: proteja seu filho

Vacinação contra o Covid-19 em crianças começou em Janeiro de 2022

 

Até então, a vacinação contra a Covid-19 para as crianças não está sendo obrigatória, mas será que você deve vacinar o seu filho?

No final de 2019 fomos apresentados a um novo vírus que trouxe uma preocupação em todo mundo. O coronavírus surgiu na China em Novembro de 2019 e logo se espalhou pelo mundo. Apesar de na maioria das vezes atingir as crianças e adolescentes de maneira mais tranquila, atinge essa faixa etária da mesma maneira que em adultos. Em janeiro de 2021 se iniciou a vacinação da COVID-19 em adultos, e agora em janeiro de 2022 começou a vacinação entre as crianças. 

 

O VÍRUS NA INFÂNCIA

Vacinação contra o Covid-19 previne casos graves da doença
Vacinação contra o Covid-19 previne casos graves da doença

Primeiramente, um dos aspectos mais curiosos da pandemia provocada pela COVID-19 consiste no fato de que a faixa etária de crianças e adolescentes apresenta na maioria dos casos formas leves ou até assintomáticas da doença. Consequentemente com menor risco de complicações, hospitalizações e mortes em comparação com a faixa etária de adultos e idosos.

As manifestações mais comuns encontradas nas crianças contaminadas são sintomas de vias aéreas, por exemplo tosse, dificuldade de respirar, congestão nasal e coriza. Porém, o covid-19 pode causar também a Síndrome inflamatória multissistêmica, uma doença rara, mas grave, que aparece tardiamente nas crianças contaminadas pelo vírus e que afeta diversos órgãos do corpo sendo necessário nesses casos a internação da criança para cuidados especializados.

Portanto, para diminuir os casos, mesmo que leves, o Ministério da saúde iniciou em janeiro de 2022 a vacinação na faixa etária de 5 a 11 anos.  

SOBRE A VACINAÇÃO INFANTIL

  • A vacina já está sendo aplicada em crianças na faixa etária de 5 a 11 anos
  • Não é obrigatória
  • Grupos prioritários: deficiência permanente ou comorbidades, indígenas e quilombolas, além de crianças que vivem com pessoas com alto risco de evolução grave de Covid-19.
  • A vacinação será em ordem decrescente de idade, começando então com as crianças de 11 e 10 anos
  • É necessário a presença dos pais ou algum responsável concordando com a vacinação e na ausência a vacinação deve ser autorizada por um termo de consentimento assinado por eles, isso está disposto no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).
  • A vacina usada será a Pfizer
  • É necessário o intervalo de 8 semanas entre a primeira e a segunda dose

Existem crianças que não devem receber a vacina Pfizer-BioNTech COVID-19?

Esta vacina ainda não está disponível para crianças menores de 5 anos, pois ensaios clínicos envolvendo crianças menores  ainda estão em andamento. 

Quais são os efeitos colaterais da vacina Pfizer-BioNTech COVID-19 para crianças?

As crianças que receberam as vacinas Pfizer-BioNTech COVID-19 tiveram efeitos colaterais semelhantes aos experimentados por pessoas com 16 anos ou mais. Dessa forma, os efeitos colaterais mais comumente relatados incluem:

  • Dor onde o tiro foi dado
  • Fadiga
  • Dor de cabeça
  • Arrepios
  • Dor muscular
  • Febre
  • Dor nas articulações
  • Náusea
  • Diminuição do apetite

As vacinas do COVID-19 podem afetar o coração do meu filho?


Nos EUA, houve um aumento nos casos relatados de miocardite e pericardite após a vacinação com mRNA COVID-19, particularmente em garotos de 12 a 17 anos. A miocardite é a inflamação do músculo cardíaco, enquanto a pericardite é a inflamação do revestimento externo do coração. Entretanto, esses relatos são raros.

Um estudo sugere que o risco de miocardite na semana após a vacinação completa com a vacina Pfizer-BioNTech é de cerca de 54 casos por milhão de doses administradas a garotos de 12 a 17 anos. Dos casos relatados, o problema ocorreu com mais frequência após a segunda dose da vacina COVID-19 e normalmente vários dias após a vacinação contra COVID-19. Contudo, a maioria das pessoas que receberam atendimento rapidamente se sentiu melhor depois de receber remédios e descansar.

Os sintomas a serem observados incluem:

  1. Dor no peito
  2. Falta de ar
  3. Sensações de ter um coração acelerado, palpitante ou acelerado

ENFIM, DEVO VACINAR O MEU FILHO?

Procure o pediatra do seu filho para tirar qualquer dúvida sobre a vacinação

Os números atuais mostram que o número de óbitos e o número de internações pelo covid 19 reduziu entre os adultos e idosos imunizados, portanto só aumenta a esperança de diminuir também os casos entre as crianças e adolescentes. 

Além disso , uma vacina COVID-19 pode impedir que seu filho pegue e espalhe o vírus que causa o COVID-19.

Se seu filho contrair COVID-19, uma vacina COVID-19 pode impedir que ele fique gravemente doente ou sofra complicações de curto ou longo prazo. Crianças com outras condições de saúde, como obesidade, diabetes e asma, podem estar em maior risco de doenças graves com COVID-19.

Receber uma vacina COVID-19 também pode ajudar a manter seu filho na escola e ter mais segurança nas brincadeiras e participar de esportes e outras atividades em grupo, o que é extremamente relevante para a saúde mental do pequeno.

Por fim, procure o pediatra do seu filho para tirar qualquer dúvida sobre a vacinação. 

 

Leia Mais:

Gripe ou Coronavírus em crianças: como diferenciar?

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on tumblr
Share on pinterest

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado.

WhatsApp chat