Quésia Villamil decidiu ser médica obstetra aos 12 anos. Por isto, entrou no curso de medicina da Universidade Federal de Minas Gerais e nesta mesma Universidade fez Residência de Obstetrícia e Ginecologia e Mestrado em Saúde da Mulher, preparando-se para realizar o melhor cuidado possível às mulheres no momento mais especial de suas vidas: a gravidez e o parto.

 

Mas durante a graduação, envolvendo-se com a assistência obstétrica nos estágios em maternidades públicas e privadas, inquietações começaram a surgir. Quando Quésia percebeu que a assistência brasileira era muito diferente da recomendada, decidiu fazer estágio fora do país. 

 

Ela foi para a Universidade de Turim, na Itália, acompanhar o serviço de obstetrícia do Ospedale Sant´Anna. Esta experiência foi marcante para ela, por poder conhecer um serviço onde as  mulheres eram atendidas por enfermeiras obstetras que trabalhavam harmoniosamente com médicos obstetras. E que isto resultava em baixas taxas de cesarianas e excelentes resultados perinatais.

 

Logo após a residência, Quésia começou a atender em consultório particular e a assistir aos partos de suas clientes nas maternidades privadas da cidade. Sempre trabalhando da maneira que acreditava ser a correta, se sentiu um “peixe fora d’água” e percebeu que teria um longo caminho pela frente.  

 

Ela também trabalhou em maternidades públicas e, sentindo de perto a urgência de melhoria na assistência, nutriu um sonho: que toda mulher de Belo Horizonte tivesse acesso ao bom parto.

 

Com o passar do tempo ela foi cada vez mais se envolvendo com a luta pelo bom parto. Conheceu doulas, ONGs, grupos de apoio a mulheres, movimentos sociais e políticos. 

 

No serviço público, atuou durante 10 anos na Comissão Perinatal da Prefeitura de Belo Horizonte, setor municipal que realiza a investigação de óbitos maternos e neonatais, além de promover a instauração de boas práticas na assistência neonatal, através de fóruns e movimentos como o BH pelo parto normal

 

Participou na criação e produção da  exposição Sentidos do Nascer e coordenou a produção das Diretrizes Municipais para Assistência ao Parto do município de Belo Horizonte.  

 

Como obstetra de referência da Secretaria de Saúde do Município de Belo Horizonte, ela ministrou cursos e treinamento às equipes médicas dos centros de saúde e maternidades públicas da cidade, além de ter sido Apoiadora Institucional da Rede Cegonha – Ministério da Saúde.

Na rede privada, Dra. Quésia constituíu uma equipe para atender partos nas maternidades privadas de Belo Horizonte e construiu os protocolos para atendimento a partos em ambiente LDR (Labour Delivery Room) / PPP (Pre-parto, parto e pós-parto) em quatro maternidades privadas em que este serviço é disponibilizado.

Quésia teve quatro filhos de parto normal. Em seus partos ela viveu tudo o que acreditava: experiências positivas, com protagonismo feminino e acompanhamento por equipe multidisciplinar. 

 

Seu primeiro parto inaugurou a suíte de parto de um grande hospital privado em Belo Horizonte. Mesmo sendo o nascimento de um bebê anencéfalo, a história vivida foi tão emocionante que motivou a produção de um livro: “Os últimos quatro meses, diário da gravidez de um bebê com anencefalia” foi lançado dois dias antes do nascimento do segundo filho. 

 

Depois ela teve mais três filhos: Paulo, Estêvão e Rebeca. Todos nascidos de partos naturais, sem intervenções. Os dois últimos foram na água. 

Logo após o nascimento da sua última filha, Quésia fundou o Instituto Villamil, clínica inovadora de cuidados integrais à mulher e à criança, sonhando com uma equipe que pudesse cuidar da mulher (e de seus filhos) desde o período peri-concepcional até a menopausa. 

Por causa da sua rica trajetória na vivência do cuidado obstétrico tanto a nível pessoal quanto institucional, governamental e assistencial, Dra. Quésia também se dedica a multiplicar suas vivências e aprendizados  acumulados em 17 anos de profissão. Formação profissional é um dos braços do Instituto Villamil.

 

Curso Parto Humanizado para Profissionais
Curso Parto Humanizado para Profissionais

 

Hoje, Dra. Quésia Villamil divide seu tempo entre a diretoria técnica do Instituto Villamil, o atendimento às suas pacientes, sua família (Arthur — seu esposo —  Paulo, Estêvão e Rebeca — seus filhos), cursos e consultorias para profissionais de todo o país.

 

 

Assista também:

Mais: