Dalila e Gabriel: parto normal em uma campeã de crossfit

parto-humanizado-instituto-villamil
Quarta feira, dia 30/09/2020. Eu completava 37 semanas e 4 dias de gestação. Embora fosse (a princípio) um dia normal, eu já estava ansiosa pela chegada do Biel. Afinal, minha vontade de ter um parto normal me lembrava que ele poderia chegar a qualquer momento. Como de costume eu acordei, tomei meu café, fiz o meu treino (em casa) e preparei o almoço. Tomei banho e logo me arrumei. Tínhamos um ultrassom de rotina marcado para as 14h. Lá fomos nós, verificarmos se estava tudo bem com nosso pacotinho de amor (que já estava há 16 dias da sua data prevista de chegada). Chegamos. Fizemos o ultrassom. Para nossa surpresa (e enorme susto) o Gabriel apresentava um percentil de crescimento muito baixo, o que o enquadrava num quadro de CIUR (Restrição de Crescimento Intrauterino). Ele estava bem, oxigenado e se nutrindo direitinho (Doppler muito bom), mas o CIUR merecia uma atenção. Saímos do ultra-som e fomos direto pro @insti encontrar com a @dra . Por volta das 16:30 ela me examinou e, como o Doppler estava normal (ou seja, o Gabriel não estava sofrendo 🙌🏼), ela achou mais seguro realizar a indução do parto para que o Gabriel pudesse nascer em segurança e de parto normal. Lembro-me da Dra. Ana me falando assim: “O Biel está ótimo e já quer conhecer a mamãe. O melhor pra ele é induzirmos o parto. Fica tranquila que vai dar tudo certo.” Eu ainda sem entender muito bem, perguntei: “Mas quando será a indução? Amanhã? No FDS? Quando seria?” Ela me disse: “Hoje mesmo! Vai pra casa buscar suas coisas e já já nos encontramos na maternidade.” Nesse momento meu coração disparou. Eu olhei pro @renan e comecei a chorar. Um turbilhão de pensamentos, sentimentos e medos tomava conta do meu coração. Eu pensava: “Meu Deus! Vai ser hoje mesmo? Como assim? Ainda não estou preparada. Será que vai doer? E essa indução? Como será que funciona? Dizem que dói mais e que demora muito mais..será que eu vou suportar? Será que vou conseguir o que tanto sonhei?” Essas e mais uma dezena de perguntas tomava conta dos meus pensamentos… Mas eu precisava focar. E lembrar que eu havia me preparado da melhor forma que eu podia. Me lembrar que eu tinha ao meu lado o melhor companheiro que Deus poderia me dar. Que eu tinha a melhor equipe pra me cuidar e conduzir a chegada do Biel. Me lembrar que naquele dia eu conheceria o MEU FILHO tão amado e esperado. E o mais importante: que eu tinha e tenho um Deus que me ama e que cuidaria de TUDO. Ao me lembrar de tudo isso, eu me acalmei e segui em frente. Fui pra casa, fiz minhas unhas enquanto participava de uma reunião do trabalho. Fiz também as sobrancelhas. (Rsrs…sim, eu queria estar bonita pra conhecer o meu príncipe!). Tomei banho, fechei a mala da maternidade (que já estava prontinha) e enquanto esperava o Renan se organizar, me sentei para escrever uma carta para o Gabriel. (Minha doula querida @carol me orientou a fazer isso). Sentada ali, conversando com ele, eu sentia que realmente ele estava pronto. E eu também. Mesmo que tudo tenha ocorrido de forma inesperada e diferente do que pensávamos, eu sentia que o Biel estava aguardando exatamente aquele momento para chegar. Enquanto eu “falava” com ele, meu coração ia se tranquilizando e uma onda de amor, alegria e gratidão tomava conta de mim. É claro que o medo ainda existia e era grande, mas ele começava a se misturar com a vontade enorme de conhecer o rostinho do meu anjinho. Tudo pronto. Fomos pra maternidade. Chegamos por volta das 21h. Nos acomodamos e às 21:30 iniciamos os procedimentos. Enquanto isso, o papai mais maravilhoso do mundo, me fez uma supresa e enfeitava o nosso quartinho com fotos de momentos de muita alegria, coragem, força, superação e muito amor, pelos quais eu já havia passado. Além disso, durante toda a noite ele também colocava para eu ouvir, áudios de amigos e familiares me desejando uma boa hora. Sem sombra de dúvidas, todas essas surpresas, me encheram de força e de amor e foram fundamentais durante os momentos mais difíceis do trabalho de parto. Às 21:30 foi introduzido um comprimido de Misoprostol (para começar a indução do parto). Às 22:30 foi introduzido o balão duplo (uma ferramenta mecânica de indução do parto). Após esse momento as contrações começaram gradativamente. Às 2:30h eu estava expulsando o balão. Isso significava uma dilatação de 5cm e também contrações mais fortes e intensas. A partir de então a presença da minha doula, e o uso dos métodos não farmacológicos de alívio da dor se tornavam cada vez mais imprescindíveis. Usamos o chuveiro, a bola, posições diferentes…recebi massagens, tens, água, comida, palavras de incentivo, amor e muito carinho! Dancei com o papai do Biel e recebi dele o maior apoio que uma mulher pode receber! Sério! Ele foi PHODA! Ficou ao meu lado o tempo todo! Literalmente segurou a minha mão e pariu JUNTO COMIGO! O TP progrediu rápido e às 4:50 do dia 01/10/2020 Gabriel chegou realizando o meu sonho: nasceu num parto natural, na água e com períneo íntegro (🏆 pra mim e pra minha Fisio cabulosa @julia). Nasceu num parto que teve dores. Sim, muitas dores. Mas que também teve alegria, entrega, paciência, aceitação, aprendizado, amadurecimento e transformação (física, mental e espiritual). Do início ao fim. E junto do Biel nasceu também uma nova mulher. Uma mãe e um pai. (Ambos inexperientes, inseguros, leigos no assunto. Mas nasceram ali.) Nasceu também um amor transcendental. Um amor que cresce exponencialmente a cada dia e que é capaz de mover montanhas. Sei que nem sempre é assim. Mas comigo foi. Nasceu ao mesmo tempo. E eu agradeço muito à Deus por isso. Bom…mas o que eu gostaria com esse relato? Algumas coisinhas… Reviver, registrar e dividir com vocês a experiência mais incrível que eu já vivi e que vou viver na minha vida. Demonstrar toda a minha gratidão à Deus, ao meu marido e à equipe que me assistiu. Dizer à todas as mulheres que estão lendo esse “testamento” e que sonham com o seu parto, que devemos estar preparadas para ACEITAR os imprevistos. Que não temos o controle sobre muita coisa(ou quase nada). Que quem decide como e quando vai chegar, é o bebê sim. Mas que nós mulheres podemos sonhar com o parto que queremos. E mais do que sonhar, devemos nos preparar, nos informar e, sempre que possível, escolher bons profissionais para nos acompanhar. E se mesmo fazendo de tudo pelo seu sonho, ele ainda assim não for possível, entenda que ele não se torna menor ou pior por NENHUM motivo. Seja qual for a via parto, seja qual for o tempo da gestação, seja por qualquer tipo de intercorrência, o SEU PARTO é único, é lindo e faz de você uma mulher muito especial. E você tem que se orgulhar dele e de você sob quaisquer condições! E para encerrar, eu gostaria de agradecer mais uma vez, ao meu #dreamteam do @institutovillamil @dra @dra @carol @lili e @julia que me ACOLHEU, me RESPEITOU, me orientou e cuidou de mim, do Renan e do Biel em TODOS os momentos da minha gestação e do meu parto. Obrigada pelo respeito, segurança, amor, competência e profissionalismo! Vocês fizeram isso acontecer e estarão pra sempre em nossos corações! E claro, obrigada @felicefilmes por registrar com tanto amor, esse momento!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on tumblr
Share on google
Share on pinterest

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado.

WhatsApp chat