Corrimento vaginal: o que é normal?

secrecoesvaginais

Nem todo corrimento vaginal significa algo errado. Na maioria das vezes os corrimentos são apenas  são fluidos secreções das células da vagina, o que é completamente normal.

O aspecto da secreção varia durante o ciclo. Por isso, conhecer as características do corrimento é importante para identificar anormalidades ou algum sinal de alarme.

Quer saber mais? Vamos te explicar aqui.

Secreções vaginais

 

Uma dúvida frequente entre as mulheres é: o que significa cada tipo de  corrimento vaginal ? Ao perceber algum tipo de fluido vaginal, muitas delas se preocupam a ponto de afetar o seu dia e até a sua relação com o seu parceiro. Mas nem sempre a presença de corrimento vaginal significa doença ou falta de higiene.

A vagina produz uma secreção com microrganismos da sua própria flora e algumas células mortas. Além disso, a secreção pode ser composta por lubrificação vaginal, fluido de excitação, esperma do dia anterior e muco cervical.

 

O que é muco cervical?

O muco cervical é uma secreção produzida pelo colo do útero. A secreção aparece na roupa íntima como um tipo de corrimento de cor transparente, branca ou levemente amarelada. Essa secreção é natural do corpo feminino.

Esta secreção contém anticorpos que dificultam a entrada de microrganismos prejudiciais ao útero, mantendo-o saudável. O muco cervical também é importante para aumentar a lubrificação e proteger o esperma do ambiente ácido da vagina. Além disso, a secreção ajuda o espermatozoide a alcançar o óvulo feminino, possibilitando a fecundação.

O muco cervical muda de acordo com cada fase do ciclo. Por isso, é importante que a mulher conheça cada tipo de fluido para entender seu corpo.

Como é o muco cervical durante cada fase do ciclo menstrual?

Secreções vaginais

Muco durante a menstruação: início do ciclo menstrual

No período menstrual, sangue e tecido do útero saem através da vagina e não se percebe fluido vaginal, uma vez que as secreções são liberadas junto com a menstruação.

Muco após a menstruação: fase folicular

Essa fase dura cerca de 14 dias e se encerra com a ovulação. A secreção vem em pouca quantidade e é pastosa, sem elasticidade.

Muco no período de ovulação

Nessa fase a mulher se encontra fértil. O muco tende a ser elástico, transparente e semelhante a clara de ovo. Essas características são importantes para a fecundação, já que ajudam no transporte do espermatozoide até o óvulo.

Secreções Vaginais

Muco após o período fértil

Esse período vai do fim da ovulação até a menstruação. Aqui o aumento de um hormônio chamado progesterona proporciona um muco cervical branco e pastoso, semelhante a uma pomada.

Secreções vaginais

 

Qual a cor e a consistência do corrimento vaginal normal?

A cor da secreção normal pode variar entre transparente, esbranquiçada ou levemente amarelada. Tem um cheiro suave ou nenhum odor. Pode ser aquosa, elástica como clara de ovo, ou um pouco mais espessa, como pomada. As características e o volume da secreção pode variar com o dia do ciclo. Mesmo assim, todas elas consideradas secreções vaginais normais.

Quando a secreção vaginal apresenta alguma cor, cheiro ou consistência diferente do costume, pode indicar a presença de algum problema, como alteração da flora ou infecções sexualmente transmissíveis.

O corrimento vaginal mudou, posso estar grávida?

Esta é uma outra dúvida que os ginecologistas recebem com frequência.

Isso acontece porque algumas grávidas que notam uma mudança de quantidade e de cor do corrimento logo no início da gestação. Algumas vezes de cor branca em virtude de alterações hormonais, ou mesmo rosa quando há um pequeno sangramento após a implantação. Clique aqui e saiba mais sobre isso.

No entanto, a característica da secreção vaginal não é um bom parâmetro para avaliar a presença ou não de gravidez, e de forma isolada, não indica gestação.

Portanto, caso haja suspeita de gravidez, o ideal é esperar o atraso menstrual e realizar um teste ou procurar o médico. Além disso, o aspecto do muco cervical não deve ser usado como método para evitar a gravidez, já que o muco pode sofrer  variações ao longo do ciclo, tornando difícil a sua exata avaliação.

O que fazer para acabar com o corrimento vaginal? 

Muitas mulheres querem ficar livres das secreções vaginais. Uma prática comum entre elas é a ducha vaginal, já que muitas acreditam que todo tipo de corrimento é falta de higiene. Entretanto, isso não é necessário, tendo em vista que na maior parte das vezes a secreção vaginal é normal do corpo feminino.

Outro hábito comum é o uso de protetores diários como absorventes, o que também não é preciso. O uso frequente pode fazer mal, já que prejudica a ventilação e aumenta o risco de algumas infecções.

O que causa corrimento branco? 

Somente a cor das secreções vaginais não é um bom indicativo de doença. Isso porque o muco cervical é normal no corpo feminino. Além disso, dependendo da fase do ciclo menstrual, o muco também pode ser branco e, além da cor, deve-se avaliar:

  • Presença de dor ou coceira
  • Mal cheiro
  • Consistência alterada: grumos, bolhas ou espuma
  • Desconforto durante a relação sexual

Caso você tenha algum desses sintomas, é importante consultar o médico para avaliar a presença de alguma infeção ou desequilíbrio da flora vaginal normal.

O que pode causar corrimento vaginal com mau cheiro?

O corrimento vaginal normal não tem odor ou apresenta cheiro suave e, por isso, se secreção está mal cheirosa,  alguma doença pode estar ativa. Como exemplo disso, infecções sexualmente transmissíveis ou desequilíbrios da flora intestinal podem ser possíveis diagnósticos.

Outro aspecto que vale ter atenção é a higiene. A parte externa da vulva deve ser lavada diariamente apenas com água corrente e sabonete, usando somente os dedos.

Quando preocupar?

As secreções vaginais podem indicar doenças caso apresentem cores alteradas, como verde, amarelada ou cinza.

Também é preciso ter atenção ao odor forte ou mau cheiro, presença de pus  e alteração da consistência, como presença de grumos do tipo leite coalhado, bolhas e espuma.

Deve-se procurar um médico sempre que a secreção vier junto com coceira, ardência ou dor.

Algumas doenças comuns que alteram a secreção vaginal são:

  • Candidíase, que é uma infecção por fungo e provoca uma secreção branca semelhante a leite coalhado, com ardência, mas com pouco ou nenhum odor. Clique aqui e saiba tudo sobre este problema.
  • Vaginose bacteriana, que ocorre por uma proliferação desequilibrada de bactérias como a Gardnerella. A secreção torna-se normalmente cinza ou verde claro e com odor característico, semelhante ao cheiro de peixe.
  • Tricomoníase, que é uma IST (infecção sexualmente transmissível). Essa doença apresenta secreção amarela esverdeada, às vezes com pus e também tem odor desagradável.

Como evitar as secreções anormais?

Mais uma vez, é importante lembrar que a higiene interna com duchas e métodos semelhantes não é necessária. A melhor forma de manter a higiene é a limpeza da área externa, ou seja, da vulva. Água e sabão são o suficiente para uma boa limpeza.

Além disso, é necessário fazer uso de preservativo durante a relação sexual para evitar doenças. Assim você protege a si mesma e o seu parceiro.

Como é a secreção vaginal na menopausa?

O fim da fase reprodutiva da mulher é chamado de menopausa. Isso ocorre porque os ovários deixam de produzir estrógeno e, por isso, a produção de muco cervical diminui e a vagina fica mais seca.  ocorre porque os ovários deixam de produzir estrógeno e, por isso, a produção de muco cervical diminui e a vagina fica mais seca. Além disso, apesar de pouco, o muco pode ficar mais espesso e odor pode mudar. Por isso, deve-se fazer acompanhamento com ginecologista para avaliar as alterações do muco cervical na menopausa e a necessidade de reposição hormonal ou outro tipo de tratamento.

 

As secreções vaginais, ou corrimento, estão presentes na vida de todas as mulheres, contudo, o que são elas? Quais alterações são normais? O que suas alterações podem indicar?

Como é o Corrimento Normal?

O corrimento normal da mulher é composto de secreções oriundas das glândulas sudoríparas e sebáceas, do muco cervical, de células mortas da parede da vagina e de bactérias da flora natural da vagina e da vulva.

As secreções vaginais fisiológicas variam de transparente à branco, aquoso à viscoso e geralmente é inodoro ou sem cheiro ruim. Apesar disso, ao secar na calcinha esse corrimento pode ficar com uma aparência amarelada, mas isso é normal. Alguns fatores podem influenciar as características das secreções, tais como: relações sexuais, hormônios, idade, medicações e gravidez.

O estrogênio, hormônio feminino, estimula a produção de muco cervical. Dessa forma durante o ciclo menstrual, no qual há alterações no estrogênio, teremos alterações também nas características do muco.

No início do ciclo, logo após a menstruação, temos uma quantidade menor de muco, ele tende a ser mais viscoso, grudento e opaco. No meio do ciclo, na ovulação, é quando temos a maior produção de secreção sob a influência do estrogênio, este muco tende a ser mais líquido, mais elástico e menos viscoso sendo bastante escorregadio. Após a ovulação e até o final do ciclo a quantidade de muco diminui voltando a ser opaco e grudento. O uso de medicações com altas quantidades de estrogênio, como anticoncepcionais combinados e medicações de fertilidade, também podem influenciar nessas variações.

Durante a gravidez há um aumento do corrimento fisiológico devido aos níveis de hormônio, ao inchaço da parede vaginal e do cérvix. Próximo ao final da gravidez é quando há a maior quantidade de secreção viscosa e mais grossa. Na menopausa a secreção da mulher tende a ser em menor quantidade devido à baixa hormonal.

 

E as Secreções Vaginais Anormais?

Há também as secreções vaginais anormais, eles variam em cor, consistência e causa; as características dos principais tipos de corrimentos anormais são:

  • Marrom: geralmente ocorre logo após a menstruação e possui essa coloração devido a restos de sangue que ainda estavam na vagina, é natural e demonstra uma “limpeza” da vagina.
  • Amarelo ou verde: podem ter diferentes consistências e geralmente indicam algum tipo de infecção.
  • Manchas de sangue: sangue fora do seu período menstrual pode ocorrer devido ao início de uma gravidez ou devido a presença de alguma lesão ou tumor.

As principais infecções que causam os corrimentos anormais são a vaginose bacteriana, a candidíase e a tricomoníase.

 

Vaginose Bacterina

A vaginose bacteriana é a mais frequente e ocorre quando há um desregulamento da flora vaginal. A secreção passa a ser branca-acinzentada com pequenas bolhas e ela não gruda na parede da vagina. Além disso, apresenta um odor desagradável descrito como de peixe podre, esse odor aumenta logo após o sexo. Alguns fatores de risco para o desenvolvimento dessa doença são múltiplos parceiros (de qualquer sexo), novo parceiro sexual, não utilizar preservativos e o uso de duchas vaginais.

Candidíase

A candidíase é causada pela presença de um fungo o qual produz um muco espesso, branco, em grumos e que se adere às paredes da vagina, se assemelha à leite talhado. Além disso, na candidíase são comuns outros sinais de infecção como coceira, queimação, edema e desconforto ao urinar.

 

candidíase

Tricomoníase

A tricomoníase é causada por um protozoário parasita, a maior parte das mulheres infectadas não apresenta sintomas. Contudo, quando sintomáticas as mulheres podem apresentar secreção verde-amarelada abundante, espumosa e com um odor acre ruim, semelhante a vinagre. Sintomas como coceira, desconforto para urinar, dor após o sexo e irritação da vulva estão usualmente presentes, além do colo em morango, que é quando o colo do útero está avermelhado com várias pintinhas vermelhas.

Outras possíveis causas para secreções anormais podem ser gonorreia, alergia, cervicite, herpes e clamídia. Na menopausa a causa mais comum de corrimento anormal é a vagina atrófica.

Leia mais:

Vídeos recomendados:

Esse texto foi escrito por Luiza Bitarães Amorim, acadêmica de medicina da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), sob orientação da equipe médica do Instituto Villamil.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on tumblr
Share on pinterest

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado.

WhatsApp chat