Bebê amarelo: saiba mais sobre a Icterícia Neonatal

icterícia neonatal

A grande parte dos bebês saudáveis fica com a pele amarela alguns dias após o nascimento, chamamos isso de Icterícia Neonatal. Essa cor característica da pele do bebê acontece por causa do acúmulo de um pigmento amarelo naturalmente fabricado pelo nosso corpo, a bilirrubina.

Mas como a bilirrubina surge no organismo? A bilirrubina é liberada no nosso sangue quando ocorre destruição dos  glóbulos vermelhos. Esse é um processo natural, constante e periódico de renovação celular que ocorre no nosso organismo.

Porém, o recém nascido possui o metabolismo ainda imaturo, esse fato é o responsável pela ineficácia na eliminação e, consequentemente, pelo acúmulo de bilirrubina no seu sangue. Assim, a bilirrubina concentrada na corrente sanguínea faz com que o tom amarelo seja perceptível na pele, bem como na parte branca dos olhos do bebê.

Icterícia Neonatal
A bilirrubina no sangue é responsável pela pele amarela do bebê.

A Icterícia Neonatal, geralmente, tem início entre o segundo e o terceiro dia após o nascimento. Portanto, durante esse período, já é possível notar o tom de pele amarelado que é mais perceptível nos olhos, na cabeça, no pescoço e no tórax do recém nascido.

O pico da Icterícia ocorre, aproximadamente, cinco dias após o parto. Por esse motivo, é essencial que o recém nascido seja acompanhado em uma primeira consulta com o pediatra até sete dias após o parto.

Porém, se a Icterícia for observada antes do segundo dia ou após uma semana do nascimento do bebê, é importante que sejam investigadas doenças relacionadas ao fígado, alterações gastrintestinais ou ineficiência no aleitamento.

Quais podem ser as outras causas frequentes de Icterícia?

A icterícia neonatal também pode acontecer quando há dificuldade no processo de aleitamento materno. Isso porque o leite materno possui substância que auxiliam o processamento da bilirrubina pelo organismo. Desse modo, quando a amamentação não ocorre de maneira efetiva, o bebê pode acumular bilirrubina em excesso.

Por esse motivo, os recém nascidos prematuros costumam ser bastante afetados pela Icterícia visto que não possuem uma capacidade de sucção bem desenvolvida.  Porém, essa disfunção é superada à medida que a ingestão de leite materno aumenta.

Além disso, a Icterícia no recém nascido também pode acontecer quando o sangue da mãe e do bebê são incompatíveis. Essa diferença gera uma aceleração na destruição dos glóbulos vermelhos da criança e, como resultado, maior é o acúmulo de pigmento porque o fígado não consegue metabolizar. Nesses casos, são necessários avaliações e tratamentos específicos.

Por fim, é possível que bebês amamentados exclusivamente apresentem um quadro prolongado de Icterícia. Assim, a Icterícia que se desenvolve a partir do 14º dia de nascimento do bebê pode ser caracterizada como sendo Icterícia do Leite Materno. As causas para esse quadro ictérico ainda não estão esclarecidos, mas tem sido atribuídos a propriedades do próprio leite materno.

icterícia neonatal
Os bebês amamentados exclusivamente podem ter Icterícia por um tempo maior.

Dessa maneira, esses bebês amarelos tardiamente devido à icterícia do leite materno são considerados saudáveis, desde que analisados hemograma com aumento de bilirrubina indireta e não direta, ganho de peso e capacidade de sucção adequada. É válido lembrar que os casos de icterícia prolongada devem ser investigados para que sejam descartadas doenças hepáticas e nas vias biliares.

Mamadeira: vilã ou aliada?

Quais doenças podem ser confundidas com a Icterícia?

A Icterícia Neonatal considerada fisiológica é caracterizada pelo acúmulo da bilirrubina indireta. Desse modo, quando há suspeita de uma Icterícia Patológica, ou seja, ligada a alguma doença, é solicitado um exame de sangue.

Se o resultado da análise sanguínea contiver alta concentração de bilirrubina direta, significa que o tipo direto está circulando em maior quantidade, o que acontece por motivos mais graves e raros. Nesses casos, é importante descartar quadro de rubéola, hepatite, citomegalovírus, herpes e, principalmente, alguma obstrução das vias biliares (atresia biliar) porque requer cirurgia.

Choro do bebê: aprenda os diferentes significados

Como é feito o diagnóstico da Icterícia?

O exame físico a maneira mais comum para detectar a Icterícia. Dessa forma, o médico pressiona o dedo na testa do bebê, após removê-lo, é possível notar se a pele do local ficou branca ou amarela. Essa técnica, apesar de muito utilizada, é subjetiva e pode ser ineficaz.

Por isso, a dosagem de bilirrubina através da coleta de sangue é o método mais adequado para diagnosticar a Icterícia. A partir do hemograma é possível medir com maior precisão os níveis de bilirrubina no sangue da criança. Assim, o médico pediatra consegue iniciar tratamento adequado para conter o avanço da doença ou somente para acompanhá-la melhor.

icterícia neonatal
Á icterícia neonatal prolongada deve ser investigada para que sejam descartadas doenças graves.

Existe ainda o teste feito com o bilirrubinômetro cutâneo. Esse equipamento, ao ser posicionado na testa do bebê, permite a leitura de bilirrubina sem precisar de uma amostra sanguínea. Porém, essa técnica não é tão precisa quanto o hemograma.

É importante lembrar que a quantidade de pigmento de bilirrubina considerada inofensiva pode variar de uma criança para outra. Desse modo, para calcular a quantidade de bilirrubina que não oferece riscos para o bebê, os médicos levam em consideração a idade gestacional e o peso do bebê. Em seguida, essas informações são colocadas em uma curva que fornece dados que podem determinar se a alteração é grave ou não.

O que levar na mala da maternidade?

Como a Icterícia pode ser tratada?

Após o diagnóstico de Icterícia Neonatal, o bebê deve ser avaliado diariamente, até que os níveis de bilirrubina se normalizem. Em muitas situações, a fototerapia é o tratamento mais indicado nos casos em que a Icterícia não regrida de maneira espontânea.

icterícia neonatal
A fototerapia é o tratamento mais utilizado em casos de Icterícia Neonatal.

A fototerapia é popularmente conhecida como banho de luz. Essa técnica expõe o recém nascido à luminosidade emitida por lâmpadas específicas, atingindo diretamente a estrutura do pigmento de bilirrubina, promovendo a sua diluição e eliminação.

Esse procedimento é realizado por aproximadamente um ou dois dias, porém a intensidade e a frequência são particulares a cada caso. É interessante destacar que não é recomendado que o recém nascido seja exposto ao sol, tome banho de ervas ou faça uso de chás. Por fim, é de extrema importância que a rotina do aleitamento materno seja mantida de maneira adequada.

 

LEIA MAIS:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on tumblr
Share on google
Share on pinterest

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado.

WhatsApp chat